03 novembro 2015

Resenha #17 - Brilhantes!






Título: Brilhantes
Coleção: Brilhantes
Autor: Marcus Sakey
Editora: Galera Record
Ano: 2015
Especificações: Brochura |476 páginas
ISBN9788501052742
 Sinopse
A partir de 1980, um por cento das crianças nascidas no mundo começou a apresentar sinais de inteligência avançada. Essa parcela da população, chamada de “brilhantes”, é vista com muita desconfiança pelo restante da humanidade, que teme a forma como esse dom pode ser usado.
Nick Cooper é um deles, um agente brilhante treinado para identificar e capturar terroristas superdotados. Seu último alvo está entre os mais perigosos que já enfrentou: o responsável pelo maior ataque terrorista dos últimos tempos, na bolsa de Nova York, que pretende começar uma guerra civil. Para capturá-lo, Cooper precisa se infiltrar em seu mundo e ir contra tudo em que acredita.
Brilhantes apresenta um universo ao mesmo tempo perturbador e incrivelmente semelhante ao nosso, onde um dom pode se tornar uma maldição.
Cortesia Galera Record (Grupo Editorial Record)


**********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
**********************************************************************


Imagens retirada da internet (FONTE E CRÉDITOS)

ELETRIZANTE! Brilhantes é um livro viciante e surpreendente do início até ao fim, onde Marcus Sakey brinca com as expectativas do leitor usufruindo do seu novo universo em meio à literatura de best-seller e sua escrita detalhista. Todas as minhas teses elaboradas durante a leitura de um capitulo, eram postas de lado antes que o capitulo chegasse ao fim.

Brilhantes, mesmo com um título estranho e nada atraente (pelo menos para mim), trata-se de uma trama com raízes no gênero sci-fi onde se retrata um universo que está lidando com o surgimento gradativo de uma nova espécie de seres humanos com capacidades mentais únicas e muito avançadas, que são denominas pelos cientistas como “brilhantes”. Os “brilhantes” começaram a surgir entre a população mundial em meados de 1980, quando passaram a ser identificados, classificados e temidos pelos humanos que não possuíam habilidades incomuns como a nova espécie. Marcus Sakey foca seu enredo em Nick Cooper, um agente “brilhante” de uma divisão do governo dos EUA responsável pela contenção/apreensão de criminosos iguais a ele. Cooper se vê em meio a uma provável guerra entre os humanos e os “brilhantes”, caso o maior terrorista de sua raça, John Smith, não seja preso. Cooper, que possui licença para matar e torturar qualquer indivíduo em nome dos EUA, busca com sua habilidade de reconhecimento de padrão humano chegar até o maior terrorista da história, porém, vê-se forçado a tomar a atitude drástica de abandonar o seu porto seguro e se infiltrar entre os seus inimigos. Entretanto, quando Nick entra em contato com os “terroristas brilhantes”, percebe que o “lado negro da força” não é tão negro assim e que muitas coisas não são o que parecem ser. 

Todo o enredo de Brilhantes é viciante, pois, as reviravoltas da história não esperam para ocorrer na metade do livro, mas sim, a todo o momento, onde um fato novo acontece de forma que pode afetar todas as decisões de Cooper. A dinâmica de narrativa é rápida (por mais que o livro possua mais de 400 páginas), e quando se chega próximo ao final do livro e se começa a refletir sobre os acontecimentos de toda a obra, o leitor consegue perceber que foram desenvolvidas várias histórias em diversos momentos de todo o enredo. 

O protagonista, Cooper (a forma como o Agente Nick Cooper prefere ser chamado), é um personagem muito peculiar no hall dos protagonistas de best-seller, pois, considero-o uma mistura de Sheldon Cooper (The Big Bang Theory) com o James Bond (007). O dom de Cooper permite que a sua capacidade de análise dos acontecimentos e inteligência sejam dignas do Sheldon do The Big Bang Theory (inclusive o fato de quanto isso é chato), porém, diferentemente do Sheldon, Nick Cooper tem a capacidade de derrubar um exército de capangas com uma pistola, como o James Bond. Cooper é atraente pela sua ausência de simpatia exagerada, pois, para ele o importante é fazer o que é necessário, com isso, o leitor percebe muitas vezes que ele não é um herói de índole inquestionável, mas sim, um soldado que tem lutar em meio uma guerra.

Além de todos esses elementos, a edição de Brilhantes foi muito bem desenvolvida, onde percebemos uma capa, que pode suscitar vários significados possíveis (para mim parecia sinapses do cérebro, ou um mapa de uma cidade), e todo trabalho entre os capítulos iniciais com recortes de jornais do universo onde se passar a obra literária. 

Em minha avaliação, o livro merece com êxito cinco estrelas, pois Sakey foi preciso em sua obra, sempre criando personagens que iriam contribuir tanto para os desdobramentos da trama, como para estimular a empatia do leitor em relação aos personagens. De ponto negativo, posso apontar o fato do livro ser muito extenso podendo tornar a leitura cansativa, porém, a extensão da obra é que menos importa para leitores assíduos e apaixonados. É um livro viciante (como frisei muitas vezes porque acabei realmente me apaixonado), pois, a cada fim de capitulo, como comentado anteriormente, você é surpreendido por algum acontecimento que vai mudar todo o rumo do livro, e ainda tem as discrições dos momentos de ação que são realmente incríveis. Sakey acertou muito na escrita, no protagonista, no enredo, no cenário e em todo o resto, pois, (permitam-me o trocadilho ridículoBrilhantes é um livro BRILHANTE.



Nascido em Michigan, Marcus Sakey trabalhou como publicitário por dez anos antes de se tornar escritor. Seu trabalho já foi indicado a diversos prêmios, dentre eles o Strand Critics, o Reader's Choice e o ITW Thriller Awards. Também é roteirista e apresentador de Hidden City, um programa de turismo do Travel Channel. Atualmente, vive em Chicago com a esposa e a filha.



3 comentários:

  1. Meu Deus Glauber! JÁ QUERO LER PRA ONTEM. Que resenha esplendorosa amigo, inspiração e empolgação pura, hahaha. Não conhecia o livro e já coloquei na lista para ler. Amo o gênero e quando trata de super inteligência aí é que amo mais ainda. Leitura, temo, que obrigatória. Meus parabéns pelo post brilhante (hehe) e muita paz e sucesso para ti. Grande abraço.

    Ewerton Lenildo - Viajante das Letras.
    viajantedasletras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi, Glauber!
    Esse título realmente não me chama atenção. Parece nome de livro de auto-ajuda
    Sua resenha é uma das poucas que vi sobre ele mas, falando as mesmas coisas positivas. Já estou considerando pô-lo na listinha.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  3. Cara também achei o livro ótimo, a trama segue sempre em um bom ritmo e não me senti cansado com a leitura. Agora ficamos na expectativa para o próximo volume, espero que siga a mesma linha do primeiro livro.

    Abraço,
    www.leitorsagaz.com.br

    ResponderExcluir

Expresse-se