27 janeiro 2016

Resenha #30 - Guerra Civil!





Título: Guerra Civil
ColeçãoMarvel
AutorStuart Moore
Editora: Novo Século
Ano2014
Especificações: Brochura |318 páginas
ISBN9788542806281
 Sinopse
A épica história que provoca a separação do Universo Marvel! Homem de Ferro e Capitão América: dois membros essenciais para os Vingadores, a maior equipe de super-heróis do mundo. Quando uma trágica batalha deixa um buraco na cidade de Stamford, matando centenas de pessoas, o governo americano exige que todos os super-heróis revelem sua identidade e registrem seus poderes. Para Tony Stark o Homem de Ferro é um passo lamentável, porém necessário, o que o leva a apoiar a lei. Para o Capitão América, é uma intolerável agressão à liberdade cívica. Assim começa a Guerra Civil.



**********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
**********************************************************************


O mundo nunca mais será o mesmo. Adaptado diretamente dos quadrinhos Marvel, Guerra Civil foi a grande aposta do ano passado do novo selo da Editora Novo Século, e com glórias, mostrou seu conteúdo e me ganhou como leitor. Em uma aventura que faz você transitar entre as duas perspectivas, a obra é mais que indescritível, tornando-se um misto de aventura, emoção e muito sofrimento. O arco que rompeu todas as linhas e amizades já formadas no mundo criado pelas HQs chega em romance e não decepciona sobre a narrativa magnifica e até meio poética do autor Stuart Moore.

Após uma imensa tragédia ocorrida durante uma missão em Stamford, heróis, civis e vilões são massacrados, a cidade ganha uma cicatriz gigantesca e o futuro de todos os mascarados estão por um fio. Agora, juntamente com a SHIELD, o governo quer registrar todos os heróis, procurando saber sua experiencia, quais suas habilidades e até mesmo sua identidade secreta. Tony Stark, publicamente conhecido como Homem de Ferro acha justo. Chega de agir na escuridão. O novo mundo pede novas regras. Mas Steven Rogers não está tão certo disto. Ele foi a guerra, sabe o que acontece quando mais do que realmente importa é revelado. Por um lado os heróis que aderiram o registro; do outro os que querem manter sua identidade secreta e as pessoas que amam longe dessa vida cheia de perigos. A qual dos dois Peter Parke, o espetacular Homem Aranha deve aderir? Qual o caminho certo para finalizar este conflito? Que consequências suas escolhas e as escolhas de seus colegas heróis podem causar ao futuro da humanidade?

Narrado em terceira pessoa, Guerra Civil compartilha diversos pontos de vistas, distribuindo seus capítulos entre Capitão America, Homem de Ferro, Homem Aranha, Mulher Invisível, e um prólogo apresentando o famoso e mais novo grupo Marvel, Os Guerreiros. Essa troca de visão não só ocasiona que a visibilidade do leitor seja completa, transitando entre as duas ideologias da história, como transforma a experiência em algo ainda mais emocionante. Dividido em cinco partes, vemos o desenvolver e o desfecho da guerra, guiados pela narrativa viciante, simples e romântica de Moore, que não só dramatiza as cenas da HQ, como também mantém com fiel dedicação, as características e essência dos principais personagens da Marvel. Não importa se é através de imagens ou palavras, a sensação que o autor passa durante a leitura faz o leitor mergulhar realmente na história, tornando tudo ainda mais amplo e emocionante, de forma que você mesmo remonta toda as imagens sobre sua mente.

A construção do romance também foi impecável. Aderindo aos personagens certos, Moore conseguiu explorar diferentes pontos da narrativa com sucesso, sem deixar brechas ou confundir o leitor devido a tantas referências que são feitas. Em alguns casos, ele até explica quem são os personagens apresentados, dizendo sua função no universo Marvel e seus dons. Claro que isso não acontece a todo instante, e o leitor que resolver se aventurar pelo romance sem conhecer a HQ, provavelmente fará algumas pesquisas, já que não conhecerá todos os heróis apresentados. E mesmo assim a obra não perde seu glamour. É justamente essa atiçante curiosidade que torna o livro ainda mais maravilhoso, fazendo-nos aprofundar em um mundo cheio de defeitos e erros.

Guerra Civil apresentou uma crítica incrível, bem construídos e extramente voltada para a reflexão deste mesmo leitor, e não apenas pelo fato de ao fim tentar escolher um time ou permanecer neutro, mas sim em vê como se formam os conflitos, nascidos de ideologias que ora se divergem, ora se assemelham. Vilões e heróis não estão tão distante assim de serem aliados. E é justamente, sobre esta ideologia que está o segundo ponto mais bem elaborado do autor. A inteligencia de Moore foi tão grandiosa que ele não "vilanizou" ou obscureceu nenhum dos dois personagens principais (Capitão e Homem de Ferro). Pelo contrário, todos parecem justos, formam uma linha justificável e transmitem ao leitor a lógica de fazerem tal escolha. Não é atoa que o personagem de Peter Parke seja tão ambíguo por boa parte da narrativa, transitando entre as duas visões sem saber a qual aderir. O mesmo acontece com Sue Richard (Mulher Invisível), que não só ganhou ainda mais o leitor (terceiro ponto mais forte da trama) com seus capítulos emotivos e dramáticos, como trouxe toda uma personalidade diferencial para a obra. Novamente reforço, a escolha de narradores foi impecável.

Em uma edição linda, cheia de detalhes, desde marcadores de divisão, a uma capa extremamente atrativa, descrevendo o mundo dos quadrinhos com perfeição, Guerra Civil entra para a lista de melhores romances que conheci em 2016 e já garante minha enorme vontade de ler os outros livros do selo da editora. Bem narrado, trama bem desenvolvida e personagens vívidos, o livro apresenta um conflito, desenvolve e o finaliza com espetacular linearidade, sem deixar o ritmo da leitura cair um só instante.



Stuart Moore é um escritor e editor de histórias em quadrinhos e romances americano. O curriculo de Moore inclui Guerra Civil, o primeiro de uma linha de romances em prosa de Marvel Comics, e duas histórias para o programa: X-O Manowar: Noughts and Crosses and Shadowman: Sunshine and Shadow. Outros de seus romances em prosa incluem American Meat, Reality Bites, e John Carter: The Movie novelização. Seus trabalhos com quadrinhos e graphic novel incluem a série de ficção científica original Earthlight, Shadrach Stone, and PARA; Web of Spider-Man, Namor: The First Mutant, and Wolverine Noir (Marvel); Firestorm and Detective Comics (DC Comics); a equipe de super-heróis multicultural A 99; a adaptação em quadrinhos do romance best-seller Redwall; assorted Star Trek, Stargate; e dois volumes do premiado The Nightmare Factory.
Stuart é também um editor freelance e parceiro da Botfriend, uma empresa de nova embalagem gráfico. Ele trabalhou com editor do livro na imprensa do St. Martin, e publicou diversos romances de ficção científica e cultura pop. Mais recentemente, ele atuou como editor da Quadrinhos / SciFi. Na DC Comics, Stuart era um editor fundador do aclamado selo Vertigo, onde ele ganhou o prêmio Will Eisner award for Best Editor, em 1996 e o prêmio de Don Thompson Award for Favorite Editor em 1999.




2 comentários:

  1. Olá :)
    A edição realmente é linda, muita vontade de começar a ler esses romances baseado em hqs, Guerra Civil pelo visto promete muito, adorei a resenha!

    Beijos,
    http://livrosentretenimento.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi!
      Leia muito. Foi o primeiro que li, mas com certeza quero os outros <3

      Abraços
      David
      http://www.olimpicoliterario.com/

      Excluir

Expresse-se