Coluna: Papeando com o Leitor #6!





Depois do “boicote” da Marvel contra a FOX, estamos passando pelo “boicote” das produtoras de cinema aos fãs de histórias em quadrinhos, pois, o ano de 2016 promete ocasionar a falência dos apaixonados por filmes de super-heróis. Parece que as produtoras decidiram fazer as pazes e se unir contra os expectadores, lançando todos os grandes filmes ligados aos grandes universos de quadrinhos (tanto Marvel, quanto DC) no ano de 2016, pois, estou ainda pensando como conseguirei dinheiro para estar presente no cinema prestigiando tanta coisa boa que temos para esse ano. 

Graças a esse complô das produtoras de filmes de super-heróis, para começar o ano, o David me pediu para falar um pouco do personagem da Marvel que está abrindo os ataques aos porquinhos de barros (em que estão guardadas as nossas amadas economias): o Deadpool. Com o lançamento do filme e todos os holofotes voltados para a segunda tentativa de Ryan Reynolds interpretando o Wade Wilson, o Olímpico Literário decidiu fazer um especial para o herói (Ou anti-herói? Ou vilão? Façam as suas apostas!).

Para começar, Wade Wilson foi criado por Rob Leifield e Fabian Nicieza, artistas conhecidos pelas suas passagens nas revistas Novos Mutantes X-force na década de 90, onde o “mercenário tagarela” fez sua primeira aparição no volume 98 do HQ “Novos Mutantes”, em 1991, como um vilão (Nada de herói, ou anti-herói. Vilão mesmo! O cara é do mal!). Com o passar do tempo, segundo minhas pesquisas, o Deadpool veio cair nas graças dos leitores e acabou passando a agir nessa vertente mais heroica participando de equipes como a X-ForceVingadores e Thunderbolts.

A origem do Deadpool envolve uma organização muito conhecida dos fãs de Wolverine e dos X-men, que é a Arma X (a organização que revestiu as garras de Wolverine com adamantium e o tornou em uma máquina de matar durante algumas décadas). Wade Wilson é canadense como o Logan, porém, não possui toda a introspecção e seriedade do Wolverine. Na verdade, os quadrinhos do Deadpool são recheados de violência e muito humor negro do personagem com os parceiros de combate e com os seus inimigos (outra coisa interessante é o apelido do Deadpool – “mercenário tagarela” – pois, ele fala tanto, que muitas vezes conversa consigo mesmo sem grandes problemas). 


Uma das principais curiosidades da criação do Deadpool é a grande semelhança do personagem com o vilão da DC ComicsExterminador. Segundo comentários da internet, o sobrenome do Deadpool foi inspirado no sobrenome do Exterminador (no caso, o Deadpool é o Wade Wilson e o Exterminador é o Slade Wilson). Cheguei a ver no Wikipédia (fonte um tanto duvidosa, porém, é uma informação interessante – por isso estou divulgando) que o Wade era uma paródia do Slade, no entanto, o personagem era tão peculiar em sua essência que ganhou notoriedade e se tornou o tão amado “mercenário tagarela” do universo Marvel

Ainda sobre o amor dos fãs relacionado ao Wade, passemos para a parte complicada desse amor: tratar de adaptações cinematográficas do personagem é garantia para que preparem-se para cenas fortes. Já que não é a primeira vez que o personagem aparece nas telonas (e por mais irônico, não é a primeira vez que ele é vivido pelo Ryan Reynolds), precisamos falar um pouco do histórico (obscuro) do personagem nas telas de cinema. 

Em 2009, depois do término da trilogia X-Men nos cinemas, foi lançado um filme que daria continuidade ao universo mutante dentro dos domínios da FOXX-men Origens: Wolverine. Nesse filme, Logan tentava lidar com o seu passado conturbado de alguma forma, consequentemente, tendo que lutar contra antigos parceiros seus da época que pertenciam ao Arma X. Entre esses parceiros de Wolverine, encontramos o Ryan Reynolds em sua primeira tentativa em interpretar o “mercenário tagarela”, porém, por algum motivo desconhecido, o Deadpool terminou ilustrado desse jeito no cinema:


Nada contra, porém, essa adaptação não caiu no gosto dos fãs dos quadrinhos, que passaram a repudiar tanto o filme, quanto o que fizeram com o personagem (estou entre esses fãs enraivados com essa adaptação). Com isso, pensou-se que não se mexeria mais no personagem, já que ele tinha morrido no fim do filme do Wolverine, entretanto, após o sucesso de X-Men Origens: Wolverine no final de semana de estreia, foi anunciado pela FOX o filme solo do “mercenário tagarela”. A FOX, por sua vez, disse que não queria ligação do personagem com o filme do Wolverine e que ele seria reiniciado em seu filme solo (isso passou a fazer mais sentido depois de X-Men: Dias de um Futuro Esquecido, pois, o cenário mutante cinematográfico na FOX passou por uma espécie de reboot). 

Então, com isso, em 2014 foi anunciado o lançamento do filme solo do Deadpool para 11 de fevereiro de 2016 (suponho que seja hoje). Ryan Reynolds assumiu novamente o manto do herói/anti-herói/vilão dos quadrinhos (prefiro não me arriscar definindo ele) e o filme teria uma abordagem mais fiel aos quadrinhos do personagem. Com o passar do tempo, chegamos a esse Deadpool do Ryan Reynolds (Sexy, não?):


Tal fidelidade do uniforme do personagem animou bastante os fãs, quando logo chegamos ao trailer do filme, que, pelo menos esteticamente, ficou muito bom e muito atrativo. Então, como início de um ano que visa deixar-nos pobres, nada melhor que gastar o nosso amado dinheirinho com a FOX tentando se redimir com os fãs do “mercenário tagarela”. E caso ainda não tenha visto o trailer de Deadpool (o que devo assumir, foi um pena), aqui está ele.


E não deixe de continuar visitando o blog porque teremos crítica sobre o filme no sábado logo cedinho ok *-* Prepare sua emoção, dinheiro e corra para o cinema para vê a primeira grande aposta das telonas do ano.


Nenhum comentário

Postar um comentário

Expresse-se