10 abril 2016

Coluna: Vamos Falar Sobre... #10!



Mal um arco chegou ao fim, outro acaba de se finalizar.
Trazendo uma espécie de prólogo de todas as temporadas já exibidas do anime, Fairy Tail Zero narra o começo de tudo, sobre a perspectiva de uma personagem singela, fofa e muito cativante. Venha conhecer como tudo realmente começou.




Sinopse: Teroshima sempre foi a casa de Mavis. Mesmo quando perdeu seus pais, a garotinha foi acolhida pelo líder de uma guilda e lá ficou morando, compensando sua estagia executando serviços para a guilda. Mas quando uma tragédia acontece, atraindo diversos outros magos para uma verdadeira guerra pelo poder, Mavis acaba fugindo de seu lar e quando retorna, encontra todos que ama mortos.
Anos mais tarde, ela e sua única amiga, Zera, ainda continuam morando na ilha, a muito, abandonada. A visita, porém, inesperada, de três caçadores de tesoura está para modificar suas vidas. Quando Yuri, Precht e Warrod aparecem em busca da valiosa joia de Tero, Mavis, única cidadão capaz de proteger o tesouro mais valioso de seu lar, se opõem. Mas estas oposição não dura muito. Quando os magos, anos atrás, massacraram seu lar, eles levaram a joia. E agora, Mavis, juntamente a seus novos amigos caçadores, irão para o continente, em busca de reaver seu tesouro das garras de uma das guildas mais potentes da época: Blue Skull.

Enredo: 

Com certeza é a temporada de maior ligação com todas as anteriores. Como mencionado, Fairy Tail Zero é um prólogo criado pelo autor para explicar as origens da famosa guilda de magos. Além de trazer a tona alguns segredos antes ocultos na trama, a história ainda garante um bom desenvolvimento e entretenimento para seus telespectadores. A estrutura do anime ficou boa, nem muito longa, nem muito curta. Com apenas dez episódios, seus eventos se desenrolam rapidamente, sem grande exceções de detalhes. Este talvez possa ser considerado um lado negativo. O autor teria espaço para trabalhar mais os personagens, Yuri, Precht e Warrod, mas infelizmente não aproveitou a brecha. O foco principal é Mavis, e talvez uma boa centralização na sua relação com o atual antagonista do anime, Zeref, o mago negro.


Personagens:


Fairy Tail Zero não é de todo ruim, mas também não chega ao nível do último arco exibido. Embora explique muito do passado da guilda, não trás tantos episódios eletrizantes e emocionantes, e confesso que me decepcionou um pouco em aspecto de trama. Esperei que os personagens, como falei acima, fossem melhor abordados, aprofundados. Mas o enredo seguiu um tanto quanto seco para os secundários e assim permaneceu até seu fim. Para o telespectador que acompanha o anime desde seus primórdios, já fica claro uma relação maior com o personagem Precht que já havia aparecido no anime antes, então, ele chega o mais perto de ser o melhor secundário explorado. Até mesmo Zera, que é de suma importância para os eventos finais do arco, se mostra meio perdida frente ao destaque que a protagonista sempre recebe. E isso pode ter sido proposital do autor, em questões de realmente explicar só as raízes de Mavis, como também um erro fatal. Em minha visão, tudo fica em um meio termo.



Mavis é uma personagem que surge em Fairy Tail inesperadamente, e desde seu aparecimento, queria conhecer mais dela. Desta forma, Fairy Tail Zero veio matar essa minha ânsia de conhecê-la melhor. Como mencionei, ela divertida, espontânea, inteligente e muito cativante. É impossível acompanhá-la nestes 10 episódios e não amá-la, de alguma forma. Nesta aspecto, acredito que a maior falha tenha sido especialmente a pouca exploração do passado dos secundários.

Mesmo assim, o produção forneceu conteúdo suficiente para que o telespectador não fique confuso ou com falta de informações. Até mesmo montou, em um dos episódios, uma linha do tempo que leva do prólogo exibido até a último arco falado, Tártaro, explicando o que aconteceu com todos os personagens durante o desenrolar dos anos.


Traço:


Hiro Mashima tem um traço espetacular, e com tempo, só foi aperfeiçoado. Embora tenha preferido seu trabalho também no arco Tártaros, gostei muito de alguns momentos que os personagens de Fairy Tail Zero entram em cena, destacando suas feições e características. Ao meu ver, talvez Warrod seja o personagem com o traço mais esquisito da trama, e nem chega a ser tão ruim assim. Ele tem seus momentos de mudanças.


Mavis, porém, nesse sentido, ainda rouba a cena, mas compartilha espaço com Yuri e Zera que marcam também boa parte da vivacidade do anime.

Fairy Tail Zero não foi negativo, e também não chegou a me conquistar como o arco que lhe antecedeu. Cheio de informações, não houve, porém, tantos momentos respectivamente emocionantes. Definiria ela como um meio termo, e isso é mais que suficiente. Pelo fato de ser uma temporada curta, focada na história inicial do anime em si, ela ficou mais lenta, mas não menos divertida. Se não pela ação, então pelas cenas de comédia que garantem ao telespectador uma apaixonante experiência.


NOTA FINAL


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Expresse-se