Resenha #335 - A Guardiã de Histórias (The Archived Vol 1)!






Título: A Guardiã de Histórias
SérieThe Archived
AutorVictoria Schwab
Editora: Bertrand Brasil
Ano2016
Especificações: Brochura | 322 páginas
ISBN9788528620566
 Sinopse
Imagine um lugar onde, como livros, os mortos repousam em prateleiras. Cada corpo tem uma história para contar, uma vida disposta em imagens que apenas os Bibliotecários podem ler. Aqui, os mortos são chamados de Histórias, e o vasto domínio em que eles descansam é o Arquivo. Mackenzie Bishop é uma implacável Guardiã, cuja tarefa é impedir Histórias geralmente violentas de acordar e fugir do Arquivo. Naqueles domínios, os mortos jamais devem ser perturbados, mas alguém parece estar, deliberadamente, alterando Histórias e apagando seus trechos essenciais. A menos que Mac consiga juntar as peças restantes, o próprio Arquivo sofrerá as consequências.
Cortesia Editora Bertrand Brasil (Grupo Editorial Record)


**********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
**********************************************************************


Anunciando ao Brasil uma das autoras mais aclamadas atualmente lá fora, A Guardiã de Histórias marca a chegada de Victória Schwab as livrarias brasileiras em uma trama diferente, instigante e muito promissora. O primeiro volume da série "The Archived" conquista e prende o leitor do começo ao fim.


A vida de Mackenzie Bishop poderia ser mais normal, mas desde a morte de seu avô que o termo "normal" não se aplica muito bem ao seu dia a dia, podendo variar dependendo do contexto. Isso tudo justamente por que agora ela é uma Guardiã do Arquivo, encoberta de manter esse vasto domínio sob controle. Cada prateleira repousa uma história, um corpo que já deixou o nosso plano e partiu para um local onde suas experiências e características são preservadas para sempre em um sono eterno. Mas alguém está disposto a destruir esse equilíbrio. Quando esse alguém começa a bagunçar o ArquivoHistórias começam a ser perdidas ou acordarem de seu sono, violentamente. E agora, perdidas em uma espécie de Limbo, só Mac é capaz de restaurar o que foi perdido. Ela não só precisa reunir as peças novamente como também proteger o Arquivo antes que tudo seja completamente devastado.

Narrado em primeira pessoa, o livro tem uma pegada diferencial, tratando uma temática bem delicada e interessante. Trazendo uma nova visão de vida pós-morte, a obra de Schwab encanta devido a todos os mistérios e perigos que faz o leitor vivenciar, seja nas partes introdutórias, seja nos momentos de ação. E embora o livro não tenha grandes momentos de adrenalina, o fato de trazer pequenos picos de drama fazem da trama algo muito atrativo e reflexivo.

Pessoas vivas não foram compiladas, organizadas - o que significam que são um amontoado de lembranças, pensamentos e emoções, tudo misturado."

Pessoalmente a personagem não foi muito atrativa e minha parte mais complicada com o enredo está justamente no fato dela ser a narradora e todo o livro centrar apenas em sua pessoa. Embora justificativas sejam dadas para comentar seu comportamento, em diversos momentos Mac pareceu-se superficial demais, clichê, chata e até um tanto egoísta. Além de que, boa parte da trama ela fala e age como se fosse um robô. A trama que ao começou pareceu tão intrigante, ao fim não passou de uma coisa sem muito nexo para mim. Gostei do lado meio fantástico que o livro tem, e esse é de fato o lado mais positivo em todo o universo criado pela autora, mas deixou a desejar no quesito ação e estruturação do romance, já que as coisas acontecem muito lentamente, e o mistério vai se arrastando até o final da obra, transformando o livro muito mais em um enigma policial, do que numa fantasia mais aprofundada.


Por outro lado, Wesley, conhecido de Mac, transformou seus longos monólogos em algo engraçado e descontraído. Além de fornecer uma qualidade de humor para o romance, o personagem é um dos únicos que rouba definitivamente a cena. Bem humorado, menos superficial e muito misterioso, seu aparecimento no desenrolar das páginas torna tudo mais suportável e instigante.

A Guardiã de Histórias não foi um livro que me cativou como esperei que iria acontecer. Além da trama não ter me agradado, porque esperei algo e recebi outro, a protagonista também não me ganhou e tornou a leitura um pouco mais arrastada do que eu realmente gostaria que fosse. Contudo, Schwab apresentou uma escrita interessante e um intelecto ainda mais atrativo, proporcionando alguns instantes de curiosidade. Com uma edição simples e uma capa simples também (bonita), a obra é uma pedida perfeita para quem gosta de um bom mistério cheio de enigmas (o que com certeza, não foi minha praia).



Victoria é o resultado de uma mãe britânica, um pai de Beverly Hills e uma educação sulista. Por causa disso, ela é conhecida pelo seu sotaque. Ela também conta histórias, além de amar contos de fadas, folclore e histórias que a fazem imaginar se o mundo realmente é o que parece.






Um comentário

  1. Oi, David!
    Eu conheci esse mulher pelos livros NA que ela lança, que dizem ser bem bons. E são esses que quero ler hahahhah
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir

Expresse-se