Resenha #360 - A Última Fase (A Doutrina da Morte Vol 3)!





Título: A Última Fase
Coleção: A Doutrina da Morte Vol 3
Autor: James Dashner
Editora: V&R
Ano: 2016
Especificações: Brochura | 328 páginas
ISBN: 9788576839828
 Sinopse
Michael ainda está tentando compreender os últimos acontecimentos: a explosão do prédio da SSV, a acusação de terrorismo, a prisão e o resgate. Ele e seus amigos foram salvos pela Aliança Tangentegrupo que pretende pôr um fim aos planos do ciberterrorista Kaine. Mas, para Michael, está cada vez mais difícil voltar a confiar em alguém.
O mundo está à beira de um colapso. Humanos e Tangentes estão assistindo ao advento da Doutrina da Morte. A Vigília e o Sono já não mais seguros e Kaine tem armazenado a consciência dos humanos em um local chamado Colmeia.
Além disso, mais alguém está no jogo, brincando com a vida das pessoas e jogando para decidir quem vive ou quem morre. O tempo irá se esgotar, e cada segundo perdido significa a morte de um Tangente e a morte de um humano.
Agora, Michael precisa agir. O jogo chegou ao fim e, para vencer, será necessário descobrir quem é o verdadeiro inimigo, seja ele real ou virtual.
A Última Fase é o final apoteótico da trilogia A Doutrina da Morte. Um desfecho empolgante que irá emocionar os gamers e laurear a série como uma das melhores do gênero Sci-fi dos últimos anos.
Cortesia Editora V&R (Plataforma 21) 


**********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
**********************************************************************


O jogo final finalmente chegou. Depois de ser usado por Kaine, e logo em seguida usado pela SSVMichael está cansado de tantos jogos, sem saber distinguir o que é real e o que não é. Em um mundo onde a computação misturou-se a realidade, saber até onde vão os limites entre esses dois é complicado. Agora, em busca de finalizar seu objetivo e deter a invasão tangente criada por Kaine através do programa Doutrina da Morte, o rapaz precisará mais do nunca da ajuda de seus amigos Sarah e Bryson. Mas entre tantas mentiras e traições, conforme novos aliados vão aparecendo, a dúvida de Michael permanece: seriam eles novos inimigos disfarçados de amigos? Até onde ele iria para salvar o mundo que conhece e recuperar a vida que um dia imaginou ter?


Dashner é um gênio diabolicamente terrível e brilhante. Em 'A Última Fase', volume final da trilogia 'A Doutrina da Morte', o autor consegue manter o leitor em um empasse agonizante que te persegue da primeira a última página. Depois de dois volumes angustiantes, com finais chocantes, o terceiro não poderia ter sido mais diferente e inesperado. Bem ao estilo 'Maze Runner', prepare-se para muitas mortes, lutas colossais e uma aventura que mexe não apenas com o músculo de nossos heróis, mas seu intelecto. 

Narrado em terceira pessoa, vemos a trama se desenrolar sobre o ponto de vista do protagonista Michael, conforme os fatos vão se fechando e as brechas se encaixando. Dashner tem uma escrita leve, fluida, e embora alguns termos tornem-se repetitivos na trama, isso não deixa a narrativa cansativa ou pesada. Pelo contrário, ele consegue se sobressair em jogo muito interessante de diálogos que prendem você, sabendo fornecer as pistas certas para atiçar sua curiosidade. 

Em 'A Última Fase', não vou mentir, esperava mais, principalmente porque adorei o final de 'Cura Mortal', embora tenha sido aberto também. Dessa vez os eventos ficaram mais amarrados, fizeram mais sentido, e mesmo brincando com o leitor, fazendo com que fiquemos na mesma dúvida que o personagem, sem saber qual personagem é vilão e qual não é, Dashner, conseguiu finalizar tudo sem grandes falhas, não fugindo ao clichê romântico de sempre do casal. Pois é, em pleno final de trilogia, tivemos um espaço maior para a relação de Michael e Sarah, e embora, envolvimento romântico não seja o forte do autor, gostei bastante e foi convincente.

O que realmente me desagradou, mais uma vez, foi o protagonista, que mesmo nas retas finais do livro, ainda continuava com questionamentos idiotas, de insegurança e muita enrolação. Acho legal essa ideia de Dashner não "heronizar" seus personagens, sempre colocando eles como um ser humano, instável, que mantém suas dúvidas até o último minuto, mas em certo momento da narrativa, esse clichê ficou batido, chato e tornou a leitura e o protagonista quase insuportáveis. Com Thomas tive esse problema e agora com Michael também. Não consegui me cativar por seu drama, achando tudo muito raso e sem sentido.


O livro é uma ficção cientifica, puxada para um lado distópico, questionando em sua base central o que é real e virtual, e até onde esses meios, na sociedade eletrônica que vivemos hoje em dia, podem ser distinguidos com facilidade? Quer dizer, quem garante que tudo que estamos vivendo não é mera falsidade? Que não estamos presos em algo ainda maior? São essas perguntas que o romance de Dashner levantam e esse aspecto me agradou demais, não só pelos três livros terem rupturas muito bem estruturadas, já que ambos apresentam um "vilão" para depois quebrar essa visão, como também pela excelente reflexão final.

Contando com uma edição muito bonita também (apesar da capa do primeiro livro ainda ser minha favorita) 'A Doutrina da Morte' é uma trilogia mais que indicada para os fãs de ficção cientifica que adoram enredos trabalhados em games, mundos virtuais ou computação.



James Dashner nasceu na Georgia nos Estados Unidos e mora atualmente em Utah também é autor da serie The 13th Reality. Ainda não acredita que ganha por fazer o que mais gosta: escrever.









Nenhum comentário

Postar um comentário

Expresse-se