24 outubro 2016

Coluna: Mitomania #4!






Abrindo a semana especial do terror, eu, lindamente para vocês, tenho post hoje :3

Entre todos os mitos, lendas e histórias de terror, que circularam dentro da literatura, houve um personagem que passou de muito temido pela população à amado pela nova geração de leitores do mundo inteiro. Para comemorar (ou só lembrar) os Dias das Bruxas, o David convocou os membros do blog para fazer postagens relacionadas com a data temática e a minha pessoa ficou responsável para falar sobre essa criatura famosa por sua natureza demoníaca e perversa, porém, muito amada pelos leitores da atualidade. De quem estou falando? Haha, sim, deles: os vampiros.


Quando estava cursando Letras, tive a oportunidade de estudar sobre a figura do vampiro dentro da literatura (tanto brasileira, quanto mundial) e tive acesso a artigos e estudos voltados para essa figura tão aterrorizante da literatura e do imaginário humano. No caso, hoje farei uma viagem literária com vocês para conhecermos melhor como a figura aterrorizante do vampiro foi concebida dentro do imaginário popular e da literatura mundial.

Para começar a falar sobre vampiro na literatura, precisamos começar a falar sobre o personagem que já foi adaptado e readaptado no cinema diversas vezes, graças a sua representação tão famosa na literatura: 'Drácula'. Segundo as pesquisas que fiz na época da universidade, 'Drácula' é um personagem que surgiu das lendas orais (e segundo amigos, eram lendas ligadas a um conde perverso da Romênia), que posteriormente veio ser imortalizado pela escrita de Bram Stoker.

O romance de  Stoker é de 1897, contado por meio de diários, cartas e relatos de bordo (conhecido como romance epistolar), de forma a narrar a história do Conde Drácula, habitante de um castelo na Transilvânia. Dentro do romance de Bram Stoker, nós conseguimos identificar outro personagem que é muito conhecido pelo público, principalmente por causa de uma adaptação cinematográfica, que é o Van Helsing, o caçador que ajuda Jonathan Harkes a destruir o vampiro maligno.

Dentro da obra de Stoker, você consegue detectar o quão era viva a figura do vampiro na Idade Média. Em minhas pesquisas (em específico na dissertação de Judith Tonioli Arantes), consegui encontrar relatos da Inquisição sobre diversos casos de vampirismos da época, que foram registrados em livros de atividades desenvolvidas pela Igreja Católica. Segundo Arantes, existiam alguns fenômenos que acontecem com os cadáveres após a morte, que na época não tinha explicação, consequentemente, alguns “estudiosos” concebiam isso como atividades demoníacas (por isso, existem casos de vampirismo dentro dos relatórios da Inquisição).

O vampiro de Bram Stoker é um ser muito poderoso, que amedronta diversas criaturas (humanas, ou não) dentro do cenário criado pelo autor. Além da imortalidade, Drácula possuía diversos poderes, como metamorfose (morcego e cachorro, que eu me lembre), hipnose, controle sobre os animais (segundo a minha leitura sobre a relação dele com os lobos), entre outras coisas. Drácula era um vampiro aterrorizante, pois o seu vínculo com as atividades demoníacas é simbolizada por Stoker em todo o livro, até mesmo em relação à data (4 de maio, véspera de São Jorge, dia o qual à meia noite os espíritos malignos libertam-se do inferno e circulam durante a madrugada pela Terra. Tenebroso não?).


Bram Stoker começou imortalizando o vampiro como um demônio imortal que vagava pela Terra sugando o sangue dos humanos para manter a sua sobrevivência, entretanto, os anos foram se passando e a ideia demoníaca do vampiro foi ficando bem mais amena. Existiram diversas representações do vampiro no cinema e na literatura, após o livro de Stoker, porém, dentro da literatura houve uma obra que viria mudar os olhares sobre a figura do vampiro. Em 1976, Anne Rice lançava um livro chamado 'Entrevista com o Vampiro', que viria acrescentar outros personagens em meio à mitologia vampiresca e tornar o vampiro um pouco mais sociável e menos aterrorizante que o 'Drácula'. Nesse livro, Rice conta a história de Louis, um repórter que narra no livro a sua vida antes de se tornar um vampiro pelas mãos de Lestat.

Rice obteve sucesso em sua releitura sobre os vampiros, na qual, ela humanizava um pouco mais o comportamento dos vampiros, não os tornando em uma fera demoníaca que queria sugar sangue de todo mundo. Na obra da autora, os vampiros ainda caçam humanos para sobreviver, entretanto, a perspectiva observada por ela não é do caçador, como acontece em 'Drácula', mas sim, do vampiro e como ele lida com a sua imortalidade, sua sede de sangue e os seus poderes sobrenaturais.

No entanto, Anne Rice não é um nome forte em meio a literatura vampiresca por causa de “Entrevista com o Vampiro”, mas sim, porque a autora desenvolveu uma série de livros voltadas para essa figura. Segundo minhas pesquisas, a série de livros chamada “Crônicas Vampirescas” possui cerca de onze livros lançados (segundo o Wikipédia rs), além de outra séries que se derivou dela, possuindo relação com esse cenário (tipo um spin-off).

Nos anos 70, Rice diferenciou-se por olhar e descrever o lado do monstro, humanizando ele diante dos leitores. Consequentemente, nessa época começou uma mudança de percepção da imagem do vampiro, que viria desencadear a obra da atualidade mais conhecida sobre vampiros: 'Crepúsculo'.

Compreendo que existe uma resistência imensa sobre a obra da Stephenie Meyer, pois ela quebrou a maioria dos paradigmas que se tinha sobre a criatura “vampiro”, podemos entenderr que ela não desconstruiu o vampiro, mas sim, tornou ele uma criatura mais “real”. Na concepção de Stoker e Rice (que reflete o imaginário popular), o vampiro é criatura sobrenatural e demoníaca, no entanto, Meyer compreende o vampiro em sua obra como uma espécie de integrante da cadeia alimentar (talvez um parasita, ou alguma coisa que a Biologia possa explicar), no caso, um ser natural da Terra, um animal como qualquer outro.


No entanto, graças a isso, o vampiro perdeu o seu caráter aterrorizante e passou a ser visto como uma criatura que sofre com uma maldição, mas tem a possibilidade de escolher se vai ser um monstro, ou não (enquanto, antigamente o vampiro ser um monstro era uma lei). Esse movimento, não começou necessariamente com a Meyer, porém, ela é um dos principais nomes dessa nova geração de vampiros bonzinhos, consequentemente, ela teria que ser citada aqui. Mas existem casos como o seriado 'The Vampire Diaries', onde também vemos essa imagem mais humanizada das criaturas.

Entretanto, pessoal... Não deixem se enganar! Se você considera uma criatura que está morta e consegue ainda sobreviver alimentando-se de sangue, algo confiável, comece a repensar seus conceitos (rs). Claro que não podemos negar que o vampiro dentro de toda a literatura é algo fascinante, pois podemos encontrar suas faces divididas entre o ser aterrorizante, ao pobre amaldiçoado e injustiçado pela escolha de outro.

Minha pesquisa tinha mais algumas coisas, mas para não tornar isso chato e muito longo, vou ficar por aqui com a nossa viagem sobre o vampiro na literatura mundial. Caso lembrem de algum livro que eu não tenha citado, ou conheçam histórias reais sobre vampiros (sim, amo histórias de terror, por mais que eu me cague de medo) comentem abaixo.


Não deixem de acompanhar o blog essa semana. Teremos muitos mais posts referentes a data ok!
Muito obrigado pela atenção! E... Doces ou Travessuras? 
         


 

20 comentários:

  1. A Meyer não quebrou, ela destruiu, pisoteou, estraçalhou e deturpou a visão dos vampiros que realmente fizeram importância na literatura e no cinema. Mas entendo que pra geração criada a leite de pera e 'ovo maltino', brilhar no sol é bem assustador e cativante. O que de certa forma foi bom, já q a molecada começou a gostar de ler.
    Pra mim Anne Rice e Stoker são os mestres pra sempre...gente, não tem como não amar seus vampiros, e atualmente alguns autores que pra mim tem mantido a pegada além de Vianco, claro, George Martin tbm me surpreendeu, sem falar em Lara Adrian e Ward, que apesar de trabalhar romances com eles, tem muita ação e tramas conspiratórias muito interessantes, sem falar na mitologia e tudo o mais que são mt criativas nas duas autoras. (muito mais que na Meyer... kkk... #pegueirançodessamulher)
    Adorei o post. ♥

    Raissa Nantes

    Raissa Nantes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Raissa! Se eu não me engano, você é amiga da minha Tia Izanete (penso eu), pois ela já me falou de uma menina com o mesmo sobrenome que o seu... rs
      Tirando isso! Ahhhh! Para! Eu gosto do que Meyer fez com o vampiro em Crepúsculo, pois pra mim foi algo ousado e talvez tenha sido isso que ajudou ela ter esse sucesso todo.
      Ela mexeu com algo já cristalizado e fez, literalmente, uma releitura sobre o vampiro para a atualidade. Isso foi diferente, foi inovador... Tipo... O vampiro havia sido trabalhado de muitas formas possíveis, porém, ela veio e propôs algo novo e diferente. Isso que me chama atenção nela.

      No entanto, concordo com tudo que disse e obrigado pelo comentário rs Continua acompanhando as postagens do blog e sempre que eu puder, eu respondo :3

      Abraços!

      Excluir
  2. Ola
    Gostei bastante do artigo, os Vampiros são uma das criaturas que mais gosto maldade aliada a sedução torna eles muito fascinantes, por isso essa coisa de crepusculo não me desce, não adianta.
    O artigo está muito bom, mas possui alguns error, por exemplo o Louis não é um reporter, ele conta sua história para um reporter, e ele conta sua histora apatir de sua transformação e não antes dela.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Menina! Como dizemos no nordeste: "Desculpa pela vergonha que passei e obrigado por ter me feito passar" rs Desculpa pelos erros e eu justifico isso, pois como disse no começo da postagem, a maioria das coisas que estão presente foi fruto de pesquisas (na verdade, eu consegui ler Drácula e o Crepúsculo, mas Anne Rice, eu nunca tive oportunidade de ler... Coloquei ela, pois falar de literatura e vampiro e não falar de Anne Rice seria um crime).
      Então, desculpa por não procurar fontes seguras e completamente equivocadas, sabe? Não tem nem o que dizer... Só desculpa e valeu pelo alerta, tá!

      Beijos e abraços!

      Excluir
  3. Oi!
    Eu gosto muito dessa mitologia de vampiros e tal, apesar de não curti horror e tal. Morro de vontade de ler o livro do Drácula, mas né? hahaha
    Ótimo post! Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O livro do Drácula é grande, mas é muito legal de ler, Vitor!
      Tente... Se não conseguir, deixe para velhice, que você consegue. rs

      Abraços!

      Obrigado pelo comentário!

      Excluir
  4. Oi, tudo bom?

    Eu amo esse universo do sobrenatural e admito que comecei a gostar a partir de Crepúsculo, quando a figura do vampiro veio sendo desmistificada, passando uma imagem de um verdadeiro príncipe.

    Beijos:*
    treslivrolatras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Oiii Glauber, tudo bem?
    Não me mata ok, tenho as obras mas ainda não li diante de tantos livros que estão na frente, mas fiquei encantada e apaixonada pelo seu texto e super anotei as dicas.
    Abraços

    ResponderExcluir
  6. Oie
    acho bem legal a mitologia sobre vampiros, eu ja li alguns livros e claro, vi crepusculo hahaha mas não é meu gênero favorito, curto mais coisas sobre zumbis por exemplo

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. OOi!
    Os únicos livros com vampiros que li foram os da saga Crepúsculo mesmo. E Amo!!
    Tenho tanto carinho pela série, por gostar da história mas princialmente por ter me viciado na leitura. ❤❤ Foi o inicio da minha fase Leitora com L maiúsculo. Onde de passa tempo passou a ser estilo de vida. kkkkk

    ResponderExcluir
  8. Esses "vampiros" de Crepúsculo, pelo amor de Deus. Na minha opinião fugiu de tudo que já entendiamos sobre vampiros, parei quando vi vampiro brilhando no sol. Mas o que falar do clássico Dracúla? O melhor e mais perfeito.

    ResponderExcluir
  9. Olá...
    Amei seu artigo sabia?
    Eu sou uma pessoa que é totalmente apaixonada por vampiros, mesmo não gostando de livros de terror. Eu li os vampiros desmitificados como Crepusculo, Vampire Diaries... tanto como os vampiros de verdade como IAN e Anne Rice.
    Parabens pelo post!

    beijos
    Mayara
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
  10. Olá,

    Os vampiros são as únicas criaturas que nunca conquistaram minha admiração e normalmente abandono qualquer livro que tenha eles como personagens principais, porque os acham muito sem graça e isso não se dar quando li Drácula porque me deparei com uma visão mais clássica e nem engulo essa de criatura mais humanizada...o que os autores fazem é apenas uma criação para que os leitores se identifiquem com os personagem e esquecem da real faceta da criatura.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Drácula <3 amo essa história original, mas não vou negar que me apaixono pelos vampiros contemporâneos e românticos hahah!

    ResponderExcluir
  12. Olá, adorei seu artigo, deu pra ver que fez ele com todo o gosto do mundo e pesquisou muito antes de fazê-lo, adorei ler.
    Não gosto muito de vampiros, irei confessar se me lembro só li duas séries relacionadoas a esse tipo de monstros e não consegui terminar nenhuma das duas, que foi the vampire diares e a série hause of night, se vocês acham que crepusculo estragou os vampiros, realmente não leram hause of night ainda, e nem recomendo, a não ser que queira bater nas autoras por ter transformado algo que era para ser tão assustador quanto um vampiro em uma criatura fofa que bebe coquetel de sangue e fez bruxarias kkk

    ResponderExcluir
  13. Ola Vampiros sempre é um tema que adoro, e sua postagem ficou ótima e bem completa destacando os Vampiros em cada estilo de seus autores. Crepúsculo foi um marco ao narrar vampiros que não bebem sangue de humanos. Adoro cada um deles. abraços

    Joyce
    wwww.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  14. Oie!
    Eu adoro vampiros. Li anos atrás o Drácula de Bram Stokes, depois li Crepúsculo e sim, amei. Depois vieram os Irmãos da Irmandade da Adaga Nega, os guerreiros de Midnight Breed, os da Academia de Vampiros. Hoje venho aos poucos comprando As Crônicas Vampirescas da Anne, mas ainda não consegui completar. Quando tiver todos vou começar a ler, de tanto que uma amiga ama.
    Enfim, realmente houve uma mudança, mas eu não vejo problema em cada autor criar a sua versão de vampiro. Sendo bom, tá valendo. Claro que gosto é gosto e graças a Deus cada um tem o seu rsrsrs. Até hoje eu gostei muito de todos que li.
    Bj

    ResponderExcluir
  15. Hello! Tudo bem?
    Que post bacana!!!
    Nossa, legal a sua pesquisa e nao achei que fosse tao difundido as coisas sobre vampiros.
    Eu adoro, amo os livros de fantasia que tem eles como personagens.
    Adorei o post e vou ler os outros.
    Beijos

    Livros e SushiFacebookInstagramTwitter

    ResponderExcluir
  16. oie adorei a coluna e o destaque das diferentes faces dos vampiros. confesso que só conheço os da stephenie meyer, mas tenho muita curiosidade em conhecer o drácula. acho que faltou mencionar o andré vianco por ele ser um cara que aborda muito bem os vampiros na literatura nacional, pelo que comentam.

    ResponderExcluir
  17. Olá! Excelente post! Confesso que me amarro em terror com vampiros, mas não com esses vampiros de hoje em dia que brilha e solta purpurina, acho mais legais aqueles vampiros darks e sombrios.

    ResponderExcluir

Expresse-se