Resenha #195 - Os 27 Crushes de Molly!






Título: Os 27 Crushes de Molly
Autor: Becky Albertalli
Editora: Editora Intrínseca
Ano: 2017
Especificações: Capa Dura | 320 páginas
ISBN: 13: 9788551002360
 Sinopse
Molly já viveu muitas paixões, mas só dentro de sua cabeça. E foi assim que, aos dezessete anos, a menina acumulou vinte e seis crushes. Embora sua irmã gêmea, Cassie, viva dizendo que ela precisa ser mais corajosa, Molly não consegue suportar a possibilidade de levar um fora. Então age com muito cuidado. Como ela diz, garotas gordas sempre têm que ser cautelosas.
Tudo muda quando Cassie começa a namorar Mina, e Molly pela primeira vez tem que lidar com uma solidão implacável e sentimentos muito conflitantes. Por sorte, um dos melhores amigos de Mina é um garoto hipster, fofo e lindo, o vigésimo sétimo crush perfeito e talvez até um futuro namorado. Se Molly finalmente se arriscar e se envolver com ele, pode dar seu primeiro beijo e ainda se reaproximar da irmã.
Só tem um problema, que atende pelo nome de Reid Wertheim, o garoto com quem Molly trabalha. Ele é meio esquisito. Ele gosta de Tolkien. Ele vai a feiras medievais. Ele usa tênis brancos ridículos. Molly jamais, em hipótese alguma, se apaixonaria por ele. Certo?
Em Os 27 Crushes de Molly, a perspicácia, a delicadeza e o senso de humor de Becky Albertalli nos conquistam mais uma vez, em uma história sobre amizade, amadurecimento e, claro, aquele friozinho na barriga que só um crush pode provocar.

************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
************************************************************


'Os 27 Crushes de Molly' é uma leitura gostosa, rápida e muito singela; Becky Abertalli me conquistou com sua escrita cheia de nuances que altera de momentos mais pesados para diálogos cômicos e fofos. Com certeza um livro maravilhoso sobre gordofobia.

Molly é famosa entre seus familiares por sempre estar se encantando por garotos, marcando constantemente em sua vida crushs e mais crushs. Mas é só isso que ela faz: encara, conversa uma boa apresentação e depois mantem-se platonicamente apaixonada. Até o dia em que sua irmã gêmea, Cassie, arruma uma namorada. A missão da irmã agora é fazer com que Molly finalmente dê o primeiro passo a um relacionamento, mas não será tarefa fácil já que Molly não se considera boa o suficiente por não estar especificamente em forma. Seria ela capaz de encontrar alguém que se apaixone por quem ela é, apreciando-a mais do que a aparência?



Eu amei esse livro e isso é um grande elogio vindo da pessoa que não curtiu nem um pouco a leitura de 'Simon Vs. Agenda Homosapiens' (outro livro da autora que tem resenha aqui também. Clica aqui). Abertalli trabalha todos os elementos da narrativa com muito mais precisão. Os problemas que me incomodaram em 'Simon' não voltam a se repetir aqui. Seus personagens secundários são explorados (ás vezes até mais que a protagonista) e o feedback para o leitor que está lendo é muito maior, causando logo uma empatia com as amigas e irmã de Molly. A leitura de 'Os 27 Crushes de Molly' é bonita, verdadeira e muito crua. A autora fala constantemente de diversos temas mais pesados, como bullyinggordofobiahomofobia, sem tornar a leitura maçante ou tensa demais. Há sempre uma quebra com alguma situação engraçada ou a protagonista é posta para falar de ironias ou sua vida romântica nada casual. E isso me agradou. Gostei dessa alteração de tons, porque parecia impressível qual seria o próximo passo narrado pela autora. O fluxo de pensamento de Molly e tão grande que se lido com muita pressa, provavelmente você pode perder alguns detalhes, já que ela está sempre ansiosa e modifica as temáticas do que está pensando. E a autora faz isso de maneira genial para mim. Ela consegue trocar de assunto sem perder, em meio a isso, o fio principal que lhe conduzia.

Narrado em primeira pessoa, eu gostei de conhecer bem a fundo da protagonista e das suas paranoias. Molly é uma personagem fácil de cativar, mesmo que você não se identifique com os dramas dela. Diferentemente de outra personagem principal que amo que passa pela mesma situação, Molly consegue ser mais palpável para mim. Ela não é a todo tempo positiva, existem cenas em que ela narra uma tristeza bem grande, e sim, eu gostei disso. Porque tornava as questões levantadas por ela muito mais cruéis e reais. Esse é o terceiro livro sobre gordofobia que leio e eu amei novamente. É um tema com o qual me identifico por não estar em forma, assim como a personagem. E isso causa logo uma comoção de minha parte para que todos leiam e tentem compreender como é a situação e a vida de uma pessoa que passa pelas ocasiões e dilemas de ser gordo. Molly narra isso com muito esplendor, toda a dor, solidão e questionamentos como: porque só eu. E eu amei isso nela, embora o tom e o foco da narrativa não seja isso. Mas mesmo amando a narração diretamente focada na principal, não me deixo negar que outras perspectivas dentro do livro seriam legais, para abarcar mais coisas e quem sabe mostrar como as pessoas viam a personagem. 

Fora Molly, ainda consegui me cativar muio pela amiga dela, Olivia (que soma na trama uma espécie de relacionamento abusivo), suas mães Nadinne Patty (representatividade homoafetiva) e o velho e apaixonante par romântico, Reid, o nerd engraçado. A autora conseguiu me surpreender com o diálogo constante desses personagens, sua presença na narrativa e a forma maravilhosamente encantadora como vai acontecendo a relação entre Molly e Reid. Eu amei o casal, sem sombra de dúvidas.

 Cassie, a irmã gêmea, embora esteja presente sempre, não me passou uma boa impressão, confesso. Em quase todo o instante da metade para o final do livro, ela me parece egoísta, mandona e toma decisões pela protagonista sem nem ao menos consultá-la, me fazendo criar certa antipatia. Embora sejam situações complicadas as quais ela está submetida, não consegui modificar minha opinião ao fim de que ela era apenas egoísta.

Por fim, se tratando de um livro de Albertalli, claramente que a obra libera representatividade por toda parte. De personagens gays, negros, a gordos, pansexuais e muito mais, a autora trabalha e representa isso de uma maneira muito bonita e complacente. Como minha amiga Luiza do blog Balaio de Babados escreveu, a impressão que a autora passa é de que "eles são o que são e isso não deveria ser a marca deles nesse mundo". São pessoas normais, vivendo suas vidas normais e Becky Albertalli narra isso com muito carinho e doçura, é impossível negar.

'Os 27 Crushes de Molly' tem uma estrutura narrativa divertida, de fácil entendimento, com uma escrita simples que exala possibilidades e assuntos. Com certeza favoritado, subindo muito o conceito da autora após a última experiência não tão positiva. Molly é só mais uma personagem que vou levar comigo. Uma leitura mais do que válida para todos, sem dúvidas (embora eu ainda ache esse título traduzido pela editora extremamente cafona e sem qualquer sentido para o total da história).


Becky Albertalli é psicóloga, o que lhe proporcionou o privilégio de trabalhar com muitos adolescentes inteligentes, estranhos e irresistíveis, e por sete anos foi orientadora de um grupo de apoio em Washington para crianças com não conformidade de gênero. Mora em Atlanta com o marido e os dois filhos. Simon vs. a agenda Homo Sapiens é seu primeiro livro.

5 comentários

  1. Oi, David!
    Eu amei demais esse livro. Bem melhor que Simon.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  2. Que legal que mesmo sendo a mesma autora, esse livro você tenha gostado muito mais que o outro. Eu ainda não li nenhum dos dois mas tenho curiosidade. Nem assisti o filme que saiu baseado no outro livro dela..

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Monique!
      Eu recomendo os dois. Tem muita gente que ama Simon e não é de todo ruim pra mim. Ele é bem leve e engraçado, só achei fraco em vista de todo o hype sabe. Não foi tudo isso para mim. Mas Molly eu mega recomendo. Porque é um assunto muito legal e a personagem é engraçada. Vale a pena.

      Abraços

      Excluir
  3. Oi
    que bom que gostou desse, ainda não li nada da autora, mas super elogiam ela, e o legal é que a autora fala de tema mais pesados, mas que ao mesmo tempo deve deixar a leitura bem fluida.

    http://momentocrivelli.blogspot.com

    ResponderExcluir

Expresse-se