Cinema #45 - O Rei do Show!





Título: O Rei do Show
Gênero: Biografia, Musical
Direção: Michael Gracey
Elenco: Austyn Johnson, Betsy Aidem, Byron Jennings, Cameron Seely, Damian Young, Danial Son, Daniel Everidge, Ellis Rubin, Eric Anderson, Fredric Lehne, Hugh Jackman, Kathryn Meisle, Keala Settle, Linda Marie Larson, Michelle Williams, Paul Sparks, Radu Spinghel, Rebecca Ferguson, Sam Humphreys, Skylar Dunn, Timothy Hughes, Tina Benko, Will Swenson, Yahya Abdul-Mateen II, Yusaku Komori, Zac Efron, Zendaya
Roteiro: Bill Condon, Jenny Bicks
Produção: Jenno Topping, Laurence Mark, Peter Chernin
Duração: 139 min.
EstúdioFox Film
 Sinopse: O filme conta a história de um famoso showman americano, P.T. Barnum, que ficou conhecido como o Príncipe das Falcatruas. Entre suas criações, estão um museu de curiosidades e um circo, onde inventou o O Maior Espetáculo da Terra, em cartaz até hoje no Ringling Bros. and Barnum & Bailey Circus.

************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
************************************************************


Visualmente bonito, tocante e com músicas que fazem você querer cantar junto, 'O Rei do Show' é o musical no qual todos os outros poderiam se inspirar. Suas dosagens entre cantoria e desenvolvimento do filme é excelente, fazendo com que tudo seja cativante e emocionante, trazendo uma mensagem que mescla com o velho clichê do não desista do seus sonhos, como também aceite quem você é.


P. T Barnum (Hugh Jackson) sempre foi um sonhador nato e busca reconhecimento. Em vista de uma jogada arriscada, ele engana o público e o banco para conseguir montar um circo diferente de tudo já visto, reunindo pessoas diferentes e excluídas socialmente, buscando ficar famoso. Mas sua saga até o topo não será um caminho fácil, repleto de altos e baixos; conquistas e derrotas.

São poucos filmes desse gênero que me encantam e me fazem curtir tanto. 'O Rei do Show' tem todo um diferencial, trazendo uma mensagem bonita de aceitação e de humanidade para todo telespectador que se aventurar em suas cenas. Muito bem construído, a história do personagem Barnum é verdadeira, crua e apaixonante, começando de uma maneira tão inocente e doce quanto a visão de uma criança, chegando a atingir ápices de emotividade conforme suas músicas vão sendo cantadas e o tom de voz vai subindo. E que trilha sonora! O filme não só conta com um visual deslumbrante, uma mensagem marcante, como também músicas que realmente grudam na sua cabeça, possuem uma letra maravilhosa e descrevem com perfeição a cena ou entrosamento dos personagens. Com cerca de uma hora e meia de filme, você mal sente o tempo passar enquanto é embalado por batidas e canções tocantes.


O elenco é tão grandioso quanto o filme. A química entre os atores é evidente desde a primeira cena. Hugh Jackson incorporou excelentemente bem seu personagem, fazendo com que Barnum se tornasse tão palpável e real quanto o esperado. Ele envolve o telespectador com seus dilemas e canções e não deixa de nos afetar quando o protagonista começa a cair em suas próprias contradições.


Mas esse filme não seria nada sem a personagem de Keala Settle (Lettie). Que voz! Que desenvolvido. De perto a personagem que mais amei no longa. Seu envolvimento com uma das músicas mais lindas da trama, o drama de sua personagem, os preconceitos e a volta por cima que ela consegue dá, trazem todo o toque especial para as cenas mais deslumbrantes do longa.


Zac Efron (Phillip) e Zendaya (Anne) também se mostram um casal convincente, embora seu envolvimento seja o mais clichê. Na realidade, o fato de ter Efron protagonizando um personagem que canta e estando apaixonado pela mocinha excluída (a lá High School Musical) me trouxe toda uma nostalgia, e eu gostei da química dos dois, embora eu quisesse mais destaque para ambos. Na realidade, esse é o único ponto incomodo para mim. Os personagens excluídos não falam muito de si, então o background deles é bem pouco, sendo que suas histórias são mais interessantes do que a do próprio protagonista. Teria sido legal conhecê-los mais a fundo, pena que o roteiro não tenha se preocupado muito com esse fator. Mas nada que desmereça o filme como um todo.


Ritmo bom, músicas que fazem você querer cantá-las e uma história verdadeira cheia de mensagens de empoderamento e aceitação, 'O Rei do Show' vai para a lista de musicais favoritos com toda a certeza. Embora clichê, torna-se único e maravilhosamente encantador.


7 comentários

  1. Quero muito ver esse filme! Parece ser muito bom! Os atores com certeza são. E eu assisti uns vídeo do making off, só me deu mais vontade de ver...

    www.ooutroladodaraposa.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ra!
      Assista muito. É lindo. Cada música mais viciante que o outro

      Abraços
      David

      Excluir
  2. Que lindo!
    Já quero conferir esse musical.

    Abraços
    Naty
    http://www.revelandosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Naty!
      Veja muito! É muito bom <3

      Abraços
      David
      http://territoriogeeknerd.blogspot.com.br/

      Excluir
  3. Oi David! Eu gostei bastante do filme tb e nem sou fã de musicais! Embora o roteiro seja um pouco raso eu achei a história boa e amei as músicas!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mi!
      Sim, o roteiro deixa muito a desejar, principalmente quando o assunto são os personagens secundários. Achei que eles podiam ter desenvolvido mais sobre eles. Mas ficou bem pouco. No fim, as musicas acabam fazendo você levar a trama de maneira bem rapida.

      Abraços
      David

      Excluir
  4. Oi
    gosto muito de filmes que envolvam música, por esse motivo estou bem curiosa para assistir esse, que bom que achou ele um bom filme.

    http://momentocrivelli.blogspot.com

    ResponderExcluir

Expresse-se