Coluna: Dorama do Mês #7!



Informe importante: Na postagem de hoje, abordarei a temática do suicídio. Caso isso funcione como gatilho mental para você ou lhe cause algum mal estar, aconselho que deixe essa leitura para outro momento. Do mais, considero importante debater sobre essa temática pouco depois do Setembro Amarelo, pois é imprescindível mantermos nossa atenção para a saúde mental dos outros e para nossa saúde mental, também.

Eu tinha prometido tentar trazer um dorama de alguma nacionalidade distinta do que vimos até o momento, porém, recentemente, como um bom apreciador da cultura asiática, recebi uma notícia muito triste sobre uma artista coreana e decidi vincular a postagem desse mês com esse ocorrido. Por isso, pretendo no próximo mês trazer um dorama chinês que assisti recentemente (caso estejam curioso, o nome dele é 'Love O2O'), enquanto ainda estou vendo a possibilidade de assistir um dorama japonês para terminar o primeiro ano da coluna falando de um dorama de cada país daquela região da Ásia. 

Só que vamos para a postagem de hoje, na metade desse mês, a cantora e atriz Choi Jin-ri, mais conhecida como Sulli pelos fãs de KPOP, faleceu e teve a sua morte muito comentada dentro da Coréia do Sul e pelos fãs do gênero musical espalhados pelo mundo, pois ela foi vítima do suicídio. Quando vi o termo vítima vinculado ao termo suicídio, pensei que não existia outra palavra melhor para descrever a situação extrema a qual a Sulli foi exposta, a ponto de só ver como saída esse ato tão pouco debatido dentro da nossa sociedade, mas que vem infelizmente ganhando certa recorrência no nosso contexto. 

A Sulli era uma artista que lutava frequentemente contra o cyberbullying, porque sofreu bastante com os comentários maldosos na internet sobre o relacionamento que assumiu com outro artista, sobre o seu comportamento feminista e sobre o seu jeito autêntico de agir. Entretanto, ela sempre se portava com certo desprezo e ironia diante desse ódio desmotivado direcionado a ela, porém, era uma artista que não conseguia ter paz em sua vida, pois a perseguição dos “cidadãos da internet” não deixava passar uma só ação dela sem que algum comentário depreciativo. 

Tal fato a fez não resistir às investidas de ódio público direcionadas a ela e potencializaram diversos transtornos psicológicos, como fobia social e depressão severa, tornando ela mais uma vítima do suicídio. A Sulli era uma artista ainda ativa, ela voltou a sua carreira musical em junho desse ano e ainda fazia parte de alguns programas de variedades de canais coreanos, porém, dessa vez o ódio venceu e mais alguém partiu. 

Com toda essa história dela, lembrei de um drama que assisti em 2018, o qual trazia toda a problemática do suicídio e buscava mostrar como muitas vezes nós poderíamos ser assassinos por omissão ou insensibilidade em diversos casos (podem ficar calmos, não tem nada a ver com '13 Reasons Why'). 'Solomon’s Perjury' é um drama coreano lançado no fim de 2016 com doze episódios, que abordava todo o mistério em volta da morte de Lee So-Woo (Seo Young Joo) em uma noite de inverno, fazendo com toda uma escola se comovesse para conseguir desvendar cada detalhe por trás desse suicídio (ou assassinato?).

Mesmo sem ter tido muito destaque dentro da Coréia do Sul em seus índices de audiência, é um drama colegial com ótimas atuações, que abordava diversas problemáticas adolescentes com a intenção de problematizar toda a carga que é depositada nas costas dessa nova geração de adultos. Tudo gira em torno da morte de Lee So-Woo e o “júri simulado” proposto por Go Seo-yeon (Kim Hyun-soo) para averiguar as causas da morte do colega, voltando-se também para o mistério envolvendo o violoncelista Han Ji-hoon (Jang Dong-yoon) e os problemas pessoais do introvertido Bae Joon-Young (Seo Ji Hoon). 

'Solomon’s Perjury' traz personagens densos em sua construção, conseguindo passar bons retratos sobre como os problemas sociais se transformam em pressões e marcas na vida da juventude, sem perder a seriedade ao abordar temáticas mais leves, como amizades e relacionamentos amorosos. Como a temática central é séria, o enredo do dorama se preocupa em sempre tratar todos os temas presentes no dorama com a seriedade adequada, mantendo uma atmosfera densa durante toda a narrativa, que lembra os filmes policiais americanos. 

Entretanto, posso garantir para vocês que toda a atmosfera de mistério e segredos oculta problemas comuns a realidade jovem e sempre desencadeia em momentos extremamente emocionantes que nos permite fazer uma reflexão profunda sobre nosso íntimo. O caso do Lee So-Woo é tão bem trabalhado e todas as nuances do personagem tão bem desenvolvidas, que mesmo o começo trágico (que acaba causando um fim trágico, também) nos deixa curioso o tempo todo para compreender os motivos por trás da morte do personagem.


Quando fiquei sabendo do caso da Sulli, depois de passar o dia pensando em como o ódio irracional é uma força destrutiva, lembrei do dorama e senti a necessidade de indicar para vocês, pois eu queria fazer uma homenagem para a pessoa incrível que a Sulli foi, além de aproveitar para indicar esse drama antigo, mas muito bem produzido. Eu espero que tenham entendido a minha intenção esse mês com a indicação de 'Solomon’s Perjury', que é um drama ótimo e apropriado para esse momento (pelo menos para esse meu momento) e espero que o drama traga boas reflexões para vocês como trouxe para mim, também.


Mês que vem temos o drama chinês que prometi e para não finalizar em um clima tenso, compartilho com vocês o lançamento desse ano da Sulli como solista, o nome é “Goblin”, para vocês terem uma leve noção da artista incrível que ele era. Eu agradeço a atenção de vocês, caso tenham alguma indicação ou algum comentário para compartilhar comigo, pode colocar abaixo que eu tento responder todos o mais rápido possível. 


Esse mês é só... Até mais!


7 comentários

  1. Olá, Glauber.
    Infelizmente isso é algo que vem crescendo muito ultimamente. E as pessoas só se dão conta da grandeza da situação quando acontece com alguém próximo. No mês passado o enteado do meu irmão tentou se matar e só então a mãe dele acreditou na depressão que ele está. É muito mais fácil falar que é frescura do que acreditar na doença. Não sei se é um dorama que eu assistiria, mas acho relevante.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  2. Oi! Eu ainda quer conferir doramas e esse tem uma tema bem atual e relevante. Gostei da dica e acho que tem uma trama forte. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  3. Oi Glauber, eu assisto hoje em dia muito pouco doramas, mas achei bem interessante o tema, forte, pesado, às vezes necessário! Curti a dica!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  4. Adoro doramas e sempre fico atrás de indicações porque são tantos que não sou capaz de escolher kkkk.

    Beijos

    Imersão Literária

    ResponderExcluir
  5. Oi Glauber
    Eu ainda não conhecia esse dorama, mas me lembro que ao ver a história da Sulli e entender todo hate em cima dela fiquei chocada. Sinto que ainda as pessoas continuaram fazendo cyberbullying. Eu só queria que ninguém mais tivesse que morrer para isso parar.
    Adorei sua resenha.
    Fiquei empolgada com o suspense do dorama.
    Beijos.
    Blog: Fantástica Ficção

    ResponderExcluir
  6. Ah, eu fiquei muito chocada sobre a morte da Sulli. As pessoas às vezes conseguem ser bem ruins, né?Fiquei bem triste porque ela era uma artista incrível. Vi um dorama com ela uma vez que amei "To The Beautiful You". Esse ano, houveram umas três mortes de famosos coreanos por suicídio, se não mais. Isso é preocupante demais.
    Não conhecia o dorama que indicou, de verdade. Não sei se o veria por conta da temática que mexe comigo mas vou anotar aqui o nome.
    Quanto a ver um dorama japonês, tenho assistido Coffee Vanilla porém vi outros doramas japoneses que meu deus, totalmente sem noção. kkk Beijo Malicioso 1 e 2 é o próprio Chernobyl Romance.
    Quanto a LOVE O2O, eu amei o filme mas o dorama eu já não curti por conta da atriz que escolheram como protagonista. ç.ç

    Abraço,
    Parágrafo Cult

    ResponderExcluir
  7. Oi, Glauber

    Eu vi a notícia da morte dessa artista no Twitter, mas não sabia que ela tinha cometido suicídio, que triste. =/ Ainda mais por ela ser tão engajada como você falou. Uma tristeza ela lutar tanto por algumas causas e acabar recebendo só negatividade. A gente vive em uma sociedade muito intolerante e maldosa, que não vê problema algum em destilar ódio gratuito em cima dos outros.

    Beijo
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir

Expresse-se