Resenha #207 - Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo!





Título: Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo
Autor: Benjamin Alire Sáenz
Editora: Seguinte
Ano: 2014
Especificações: Brochura | 392 páginas
ISBN: 
13: 9788565765350
 Sinopse
Dante sabe nadar. Ari não. Dante é articulado e confiante. Ari tem dificuldade com as palavras e duvida de si mesmo. Dante é apaixonado por poesia e arte. Ari se perde em pensamentos sobre seu irmão mais velho, que está na prisão.
Um garoto como Dante, com um jeito tão único de ver o mundo, deveria ser a última pessoa capaz de romper as barreiras que Ari construiu em volta de si. Mas quando os dois se conhecem, logo surge uma forte ligação. Eles compartilham livros, pensamentos, sonhos, risadas - e começam a redefinir seus próprios mundos. Assim, descobrem que o amor e a amizade talvez sejam a chave para desvendar os segredos do Universo.

************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
************************************************************


Minha história com 'Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo' é algo diferente das infindáveis pessoas que o amaram. Houve bastante expectativa diante da premissa, porém, não foi tão mágico como eu esperava que fosse (mas não estou dizendo que foi ruim).

Certo dia, estava no instagram e uma amiga postou uma foto do livro tecendo vários elogios e, conversando com ela, descobri que se tratava de uma obra com personagens LGBT. Não pensei duas vezes, comprei o livro no mesmo mês, no entanto, não tive tempo de fazer a leitura dele, e só fui começá-lo esse ano, quando pude finalmente conhecer Ari e Dante

Ari e Dante são dois adolescentes de quinze anos que possuem personalidades completamente distintas, porém, acabam se conhecendo durante o verão e desenvolvem uma amizade muito forte, em que acabam se completando nas coisas que lhe faltam. Ari é um rapaz introspectivo, solitário e não muito bom com as palavras – tem sérios problemas para se expressar com os pais; enquanto Dante é um rapaz comunicativo, confiante e tem uma paixão por poesia e arte – além de ser um dos poucos adolescentes que diz amar os pais em voz alta. 

Ari possui diversas lacunas sobre o seu passado (a vida do seu pai na guerra, o seu irmão presidiário, o segredo do olhar culpado de sua mãe, entre outras coisas) que busca preencher, porém, os seus pais sempre se negam a entrar nessas questões. Essas lacunas muitas vezes o tornam um rapaz revoltado com seus familiares, mas, ao lado de Dante, de forma gradativa, ele vai começando a descobrir os segredos que assombram o seu passado e vai começando a se conhecer; descobrindo coisas muito importantes sobre sua história, sua vida e os seus sentimentos. 

Nunca tinha ouvido falar sobre o Benjamin Alire Sáenz, porém, depois que comecei a pesquisar sobre o livro, descobri que 'Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo' fez Sáenz ser bastante conhecido. No entanto, tenho algumas ressalvas a fazer sobre o livro, pois, como comentei com o David, acredito que a obra foi muito superestimado por mim e eu acabei não conseguindo ter uma experiência literária tão boa com ele. 

Os personagens são um ponto maravilhoso da obra, pois todos que surgem na narrativa possuem algum propósito importante para história. Não importa se são personagens que participam da narrativa de Ari, ou se são personagens lembrados pelo rapaz, eles sempre possuem algum papel importante na busca do garoto em seu autoconhecimento. O enredo da história é bastante fluído e a escrita de Sáenz não trava em nenhum momento o momento da leitura. Ele consegue ser direto em seus capítulos, sem muitos floreios, permitindo que o leitor consiga aproveitar bem a leitura. 

No entanto, mesmo eu considerando isso uma qualidade da escrita de Sáenz, a fluidez da leitura tornou “os segredos do universo” descobertos por Ari em algo banal, pois não existe uma profundidade emocional no momento, existe somente uma narrativa esclarecedora e direta sobre aquele momento. Realmente, não sei se estou acostumado com livros narrados em primeira pessoa com uma carga emocional mais profunda, porém, Ari parece um narrador apático e sem grandes emoções por conta da fluidez da escrita (deixo claro que não gostei desse aspecto da narração, caso essa tenha sido a intenção do autor). 

Na verdade, acredito que tenha sido essa a minha frustração com o livro, pois não se trata de um livro ruim, mas uma obra com esse título e com todo esse estardalhaço dos seus leitores, eu esperei sinceramente, que fosse algo mais profundo e mais avassalador. Quando escuto falar sobre romance LGBT, fico muito animado para ler. Gosto de me sentir representado em meio à literatura, porém, não consegui encontrar até o momento um livro que me satisfizesse como leitor e nem que me representasse como integrante da comunidade LGBT (talvez 'Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo' tenham sofrido com toda essa minha expectativa). 

No entanto, acredito que toda experiência literária é válida, por isso, indico que leiam a obra. É uma boa leitura de fim semana, além de ter uma edição linda (e não vou negar que a capa do livro me atraiu muito, pois é uma capa muito bem elaborada e linda – caso não goste da leitura, garanto que o livro vai ficar lindo na estante rs). Minha avaliação vai ser três estrelas e meia, pois eu gostei da leitura, porém, o fato de não conseguir corresponder as minhas expectativas marcou muito a minha experiência e como é uma avaliação pessoal, preciso ser sincero comigo mesmo. 

Ah! Se vocês tiverem livros sobre a temática LGBT que tenham gostado muito, coloquem nos comentários (por favor), pois, depois de 'Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo', virou questão de honra encontrar um livro do gênero que caia em minhas graças (rs).


Nascido em 1954, é um poeta, romancista e escritor de livros infantis premiado. Nasceu em Old Picacho, Novo México, graduou-se em Las Cruces High School em 1972. Naquele outono ele entrou no Seminário de St. Thomas em Denver, Colorado, onde ele recebeu bacharelado em Humanas e Filosofia em 1997. Ele estudou teologia na universidade de Louvain em Leuven na Bélgica de 1997 a 1981. Ele foi padre por poucos anos em El Paso no Texas antes de deixar a ordem. Em 1985 ele retornou para a escola e estudou Inglês e Escrita Criativa na universidade do Texas em El Paso onde ele ganhou o mestrado em Escrita Criativa. Ele ganhou um ano na universidade de Iowa onde fez seu PhD em Literatura Americana. Um ano depois ele foi aclamado com Wallace E. Stegner. Enquanto esteve na universidade de Stanford sob o guia de Denise Levertov, ele completou seu primeiro livro de poemas que ganhou o American Book Award em 1992. Ele então entrou no programa de PhD de Stanford e continuou a estudar por mais dois anos. Antes de completar seu PhD ele mudou-se de novo para a fronteira e começou a ensinar na Universidade do Texas em El Paso no programa de mestrado bilíngue.


4 comentários

  1. Olá, Glauber.
    Quando lançou esse livro eu só li resenhas elogiosas dele. Mas depois o tempo foi passando e comecei a ver uma ou outra resenha como a sua falando sobre as expectativas não terem sido atingidas. Eu não sei se leria ele, acho que no momento não. Infelizmente não tenho livros para te indicar porque os que lembro que li com essa temática deixaram a desejar na minha opinião como foi o caso de O mau exemplo de Cameron Post e Will e Will.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  2. Oi, Glauber!
    Eu gostei muito do livro, mas entendo seus pontos.
    Se você quer ler LGBT, então lá vai livros que amo: Minha Versão de Você, da Christina Lauren; Apenas Uma Garota, da Meredith Russo; História É Tudo Que Me Deixou, do Adam Silvera.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  3. Oi
    eu só lia comentários positivos desse livro, até me interessei em ler, mas com o tempo até esqueci dele que perdi o interesse, pena que a obra não foi tudo aquilo que esperava, mas pelo menos gostou do que leu.

    http://momentocrivelli.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Oi Glauber, eu li muitas críticas positivas do livro, mas entendo que às vezes não alcança as expectativas, o que é uma pena. O enredo parece ser bom.

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir

Expresse-se