Resenha #226 - Comportamento Altamente Ilógico!






Título: Comportamento Altamente Ilógico
AutorJohn Corey Whaley
Editora: Rocco
Ano2017
Especificações: Brochura |256 páginas
ISBN13: 9788579803482
 Sinopse
Um garoto de 16 anos tímido e retraído que sofre de agorafobia (transtorno de ansiedade que leva a pessoa a evitar locais que não considera seguros); uma menina ambiciosa e realista que sonha em entrar para a faculdade de psicologia. Determinada a provar que merece ser aceita no segundo melhor curso do país, Lisa se aproxima de Solomon para ajudá-lo a superar suas dificuldades, trazendo também seu encantador namorado, Clark, para próximo de sua “cobaia”. Logo, os três formam laços inesperados de amizade. À medida que se conhecem melhor, porém, os planos de Lisa começam a sair de controle, e cada um deles é obrigado a rever suas certezas e encarar seus medos. Será que Sol, Lisa e Clark conseguirão encontrar novos arranjos em suas vidas, servindo de apoio um ao outro na difícil tarefa de encarar a vida adulta que se aproxima?

************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
************************************************************


Esse é mais um livro que entra para a lista de leituras mais inesperadas do ano. 'Comportamento Altamente Ilógico' apresenta uma narrativa despretensiosa que em sua sinopse não levanta metade da porcentagem do que a obra é. Com uma escrita fluida e personagens diversos, John Corey Whaley cativa o leitor por suas páginas.


Solomon é um rapaz tímido e diferente. Vítima de agorafobia (transtorno de ansiedade que leva a pessoa a evitar locais que não considera seguro), ele segue sua vida da melhor maneira possivel, evitando o mundo externo. Infelizmente para Sol, os planos de Lisa, uma menina ambiciosa que anseia uma vaga na faculdade de psicologia, incluem tratá-lo e fazê-lo sair dessa jaula na qual se trancou. Por isso, ela se aproxima do garoto, em busca de fazê-lo superar suas dificuldades, incluindo seu namorado Clark no processo. Desse inesperado e impossível tratamento secreto, uma amizade forte começa a nascer, e isso é um perigo, pelo menos para o planejamento de Lisa. Um passo em falso e tudo estará perdido: sua ida a faculdade e seu passe de saída de sua cidade.

Narrado em primeira pessoa, o livro vem dividido em dois pontos de vista: o de Sol e o de Lisa, e eu sou sincero a dizer que gostei dos dois, embora alguns capítulos específicos dela tenham se soado ruins. Pelo pouco dito da trama, percebe-se que o motivos do nascimento dessa amizade são duvidosos e maldosos. Lisa é uma personagem bastante irritante no começo, com suas manias de grandezas, o que transformou seus capítulos em uma espécie de narrativa vilã. Enquanto Sol ameniza o clima, com suas tiradas de humor negro e a bela relação com sua família. É inegável, porém, que o tom ácido dos diálogos de Whaley seja divertido e renda algumas gargalhadas. Fiquei envolvido pelo dilema dos personagens desde o primeiro instante e não conseguia largar o livro. Com capítulos curtos e sem grandes emoções, a leitura fluí com facilidade. Suas quase 300 páginas passam na maior tranquilidade. Até mesmo o clímax da obra, soa leve, em vista do que você já espera. E esse talvez seja o fator que mais me agradou: previsibilidade. Geralmente é uma característica irritante em romances fantásticos ou ficções cientificas, mas nesse contemporâneo me agradou. O autor não força plots sem necessidade e trabalha com o que tem, de maneira que todas as situações aconteceram com muita naturalidade para mim, sem grandes surpresas ou motivos tendenciosos. O mais diferente e inesperado na obra, é um segredo do protagonista, que de fato, eu não esperava. Contudo, não me pareceu forçado ou jogado sem mais nem menos.

Agora, não importa o que dissessem para si mesmos ou um para o outro, as coisas sempre seriam diferentes. Afinal, não tem primeiro amor que desapareça do dia para a noite - muito menos um que está sempre perto do seus olhos, mas longe do seu alcance."

Whaley também trabalha muito bem sua temática. O quesito saúde mental é o que rege basicamente todo o núcleo do protagonista Sol. E suas crises e dilemas, são interessantes a ponto de você se afeiçoar por ele e torcer para que tudo fique bem. Algumas cenas, marcantes e fortes, são intensas de se ler, sem beirar o exagerado e mantendo a leitura da forma mais gentil possível. Pareceu-me que o autor não quis fortificar ou chocar seus leitores; ele tratou sobre um distúrbio, mostrou como pode acontecer, mas não intensificou a ponto de você correr o risco de ser afetado pela cena ou se sentir mal.

O mundo é grande, assustador e cruel, mas podemos sobreviver aqui fora."

Eu consegui me apegar por todos os personagens, como dito acima, mas claro que um deles se ressalta. Clark é quem rouba a cena do livro, na minha opinião. Talvez seja pelo fato de eu ter me identificado muito com ele, tanto no jeito de agir, quando na vivência com amigos e família. Ele é engraçado, sincero e boa parte do tempo, extremamente aleatório. Seu humor me arrancava risadas nas mais variadas partes, sejam nos seus diálogos nerds com Sol, seja com as DRs que tinha Lisa. Mas não posso deixar de oferecer alguns méritos a avó de Solomon. Ela é carinhosa e muito engraçada. Boa parte das conversas e cenas em que ela participa, tornam a leitura ainda mais interessante.

Desde seu lançamento esse livro me chamou atenção, e não decepcionou um só instante. 'Comportamento Altamente Ilógico' é uma divertida empreitada que fala sobre saúde mental, amizade e crescimento pessoal, com personagens que beiram a realidade e vivem como qualquer outra pessoa a seu redor, cheios de qualidades e defeitos.



O autor cresceu na pequena Springhill, na Louisiana, onde ele aprendeu a ser sarcástico e a contar histórias. Passou por cinco anos de escola pública onde passou a maior parte do tempo sonhando acordado com virar escritor. Quando era criança, gostava de escrever sobre civilizações subaquáticas, mas agora escreve ficção realista para jovens adultos (o que às vezes inclui zumbis...). É obcecado com filmes, músicas e viagens para novos lugares. Sua palavra favorita é defenestração Sua cor favorita é o verde. Seu cheiro favorito é o de livro. Atualmente, o autor divide seu tempo entre a Louisiana e Los Angeles.



8 comentários

  1. Sempre tive muita curiosidade com essa história pois desde o lançamento me chamou muito a atenção. Agora vendo a sua opinião só fiquei com mais vontade de ler.

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Monique!
      Eu recomendo muito. É uma leitura muito divertida e rápida.

      Abraços
      David

      Excluir
  2. Oi David, tudo bem? Já fez um tempo que estou curiosa com esse livro e por tudo que vc comenta parece muito bom. Quero conferir!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mi!
      É super leve, apesar de trazer um assunto mais pesado <3 Li numa sentada. Vale a pena.

      Abraços
      David

      Excluir
  3. Oi, David! Tudo bom?
    Eu vi alguns comentários a respeito desse livro, mas sabe quando não tem aquele tchan que faz nascer a vontade de ler? Comigo ainda tá assim.
    Achei legal a questão de o autor abordar assuntos como saúde mental de maneira tão sensata, espero conseguir ler algum dia!

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nizz!
      Entendo! Mas é super rapidinho de ler, apesar dos pesares e sim o autor aborda bem a temática que propoe. Eu curti bastante. Espero que se um dia bater a vontade, você se arrisque.

      Abraços
      David

      Excluir
  4. Oi
    não sabia da existência desse livro, primeira resenha que leio dele e fiquei curiosa, pois acho interessantes livros assim, não tenho a doença dele, mas esses dias desisti de uma viagem por conta da minha ansiedade, isso é horrível.
    Os personagens parecem ser interessantes, apesar do que falou da lisa.

    http://momentocrivelli.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi De!
      É a Lisa é complicado, porque ela serve como uma anti heroina, então no começo não consegui curti muito ela não, por causa das atitudes. Mas depois ela melhora.
      E sim, ansiedade é uma droga. Eu tenho e sofro com isso :(

      Abraços
      David

      Excluir

Expresse-se